Grupos Temáticos para o 29º Congresso Internacional da SOTER

 

GT1. Teologia (s) da Libertação (TdL)

Coordenadores: Prof. Dr. Paulo Agostinho – PUC/Minas, MG; Francisco das Chagas  Albuquerque– FAJE-MG; Prof. Dr. Benedito Ferraro – PUC Campinas, SP; Prof. Dr. Agenor Brighenti – PUC Paraná; Prof. Dr. Sinivaldo Tavares – FAJE, MG.

Ementa: O GT TdL objetiva reunir pesquisadores (as) que investigam sobre as diversas formas de teologia contextuais que se compreendem como “da libertação”, que articulam teologia e libertação, a defesa da dignidade eco-humana, da justiça e da solidariedade. Também se abre, nessa perspectiva, às questões de metodologia e epistemologia teológica; às articulações entre mediações filosófico-científicas e hermenêuticas e as perspectivas praxísticas; aos embates com as ciências da religião, às mudanças de paradigma. Considera os novos sujeitos e lugares teológicos, assim como as diferentes categorias de análise como gênero, raça/etnia, além de classe social, privilegiando os mais diversos temas na perspectiva da libertação e do diálogo interdisciplinar e suas interfaces com o contexto atual de busca de ecumenismo, pluralismo e diálogo inter-religioso. O GT pretende acolher trabalhos que tenham a interconexão entre movimentos sociais, ciências sociais e teologia: leitura/interpretação teológica dos movimentos sociais, analisados e compreendidos em diálogo com as ciências sociais. Movimentos de resistência e de construção de alternativas como os que se reúnem no Fórum Social Mundial e o exercício da teologia no Fórum Mundial de Teologia e Libertação e das motivações teológicas em atuações pastorais junto aos movimentos sociais podem encontrar neste GT um laboratório fecundo e criativo.

 

GT 2. Protestantismos

Coordenadores: Prof. Dr.Ronaldo Cavalcante – Faculdade de Teologia Unida de Vitória, ES; Prof. Dr.Adilson Schultz – PUC Minas, MG

Ementa: O universo protestante tem passado por mudanças estruturais e conjunturais de significativa relevância. O surpreendente dinamismo do fenômeno evangélico, particularmente no Brasil e América Latina, exige reflexões multidisciplinares, forjadas especialmente no campo da Teologia e das Ciências da religião, em constante diálogo com outras áreas do saber. Nesse sentido, o GT Protestantismos recolhe perguntas e reflexões sobre o futuro do protestantismo, entre elas: o papel público da teologia, a identidade da teologia evangélica em relação à cultura brasileira, o universo multifacetado de teologias protestantes, a questão da confessionalidade em relação ao diálogo ecumênico e inter-religioso, os êxitos e fracassos das igrejas e teologias protestantes na tarefa de articulação da revelação de Deus no mundo.

 

GT 3. Exegese e teologia bíblica

Coordenadores: Prof. Dr. Paulo Sérgio Soares – PUC Minas – MG; Prof. Dr. Cássio Murilo Dias da Silva – PUCRS, RS, Prof. Dr. Júnior Vasconcelos Amaral – FAJE, MG.

Ementa: A fé cristã acolhe a Bíblia como principal fonte alimentadora da mística que sempre motivou profundas transformações de inteiras sociedades. No entanto, na sociedade atual cada vez mais a religião e a fé estão sendo confinadas ao espaço íntimo de cada sujeito, com a consequente leitura intimista da Bíblia. Ela vai sendo reduzida a um amontoado de crenças de foro íntimo, como se não tivesse profundas raízes na vida social,  política, econômica e cultural dos povos entre os quais ela se formou e foi transmitida, relida, ensinada e traduzida em ações transformadoras, ou seja, nos espaços públicos de muitos povos, ao longo de milênios. O presente GT quer acolher e ampliar as leituras de ambos os Testamentos que resgatem o caráter público da Bíblia, a fim de superar a redução ao intimismo em sua leitura e, por meio da exegese e da teologia bíblica, abrir horizontes novos para aqueles que alimentam com o texto sagrado sua mística de engajamento e transformação dos espaços públicos contemporâneos.

 

GT4. Filosofia da religião

Coordenadores: Prof. Dr.Agnaldo Cuoco Portugal – UNB, DF; Prof. Dr.Flávio Augusto Senra Ribeiro – PUC Minas, MG

Ementa: O GT de Filosofia da Religião da SOTER vincula-se aos interesses da pesquisa no campo de conhecimento que pretende desenvolver uma investigação de natureza filosófica sobre as questões relativas ao fenômeno religioso. Serão aceitos trabalhos de docentes de ensino superior (mestres e doutores) e de estudantes de pós-graduação stricto sensu, da área de Filosofia, Teologia e Ciências da Religião. As comunicações deverão abordar temas referentes a um dos seguintes subgrupos temáticos, claramente identificados no envido das propostas: a) filosofia da religião e o problema de Deus, ou,  b) pressupostos filosófico-conceituais da relação entre religião e contemporaneidade.

 

GT 5. Teologia no Espaço Público e no Mundo Contemporâneo

Coordenadores: Prof. Dr.Érico Hammes – PUC/RS, RS; Prof. Dr.Vitor Galdino Feller – FACASC, SC; Prof. Dr. João Décio Passos – PUC/São Paulo.

Ementa: O GT aborda a Teologia enquanto Ciência da Fé que, ao refletir sobre os desafios da realidade, das relações sociais e internacionais, repensa os seus temas fundamentais e contribui para novas compreensões do papel da fé na sociedade atual. Como principais objetivos se propõe: 1) dialogar com os avanços científicos e tecnológicos; 2) propor uma compreensão transformadora da existência de fé no contexto político social do país; 3) trazer à consciência religiosa a necessidade de superação da violência em suas diferentes manifestações; 4) repercutir teologicamente os movimentos mundiais de correntes dos processos de globalização; 5) refletir a relação da religião e, portanto, da teologia, com a política.

 

GT6. Religião e Educação

Coordenadores:  Prof. Dr. Eulálio Figueira – PUC/SP; Prof. Dr.Sérgio Rogério Azevedo Junqueira – PUC/PR, PR

Ementa: Este GT organiza os estudos e pesquisas da relação entre educação, cultura e religião, campo este que se abre sistematicamente aos pesquisadores de Teologia e de Ciências da Religião, assim como de áreas afins. Com perspectiva interdisciplinar, sua intenção é compreender os diferentes processos de ensino e aprendizagem nos espaços escolarizados e comunitários. Esse núcleo abrange temas como ensino religioso, pastoral da educação, educação em diferentes espaços confessionais, diversidade, formação inicial e continuada, catequese, formação de lideranças para movimentos e estudo dos diferentes segmentos escolares, entre outros. Tais elementos estão relacionados à compreensão e à transformação das práticas e conduções da vida e políticas educacionais apresentadas como plataformas para a ordenação e a direção das relações da humanidade com seu entorno (natureza, transcendência, alteridade).

 

GT 7. Espiritualidade e Mística

Coordenadoras: Profa. Dra.Ceci Baptista Mariani – PUC/Campinas, SP; Profa. Dra.Maria José Caldeira do Amaral – PUC/SP, SP

Ementa: O Grupo de Trabalho “Mística e Espiritualidade”, no contexto do tema “Deus na Sociedade Plural: Fé, Símbolos e Narrativas”, tem como objetivo geral apresentar e debater os fundamentos teológicos e filosóficos presentes no atravessamento da linguagem utilizada para descrever a experiência mística como experiência direta de Deus. Em suas fontes originais, a pesquisa em torno da experiência mística e espiritual tem revelado conteúdos importantes pertinentes à tradição do pensamento ocidental nas múltiplas tradições que não se sustentam numa abordagem meramente psicológica, histórica ou sociológica e que, ao mesmo tempo, subsidiam essas mesmas abordagens. O Universo Simbólico e Narrativo supõe um campo fértil para a indagação de conteúdos teológicos fundamentais que trazem à tona o paradoxo e a fragmentação, não especificamente como conceitos negativos e correspondentes a campos contraditórios ao esforço dos pesquisadores frente à descoberta de sentidos e significados de uma configuração teológica espiritual, mas como conteúdos expostos a uma condição de pertencimento a essa mesma condição paradoxal e fragmentada, na qual se encontram os percursos atuais deapreensão da condição humana religiosa e sua realização no mundo. De modo mais específico, entendemos que a indagação principal desse grupo de trabalho implica no aprofundamento das fontes experienciais e textuais configuradas por experiências religiosas, espirituais e místicas que estão em constante debate com o desafio do mistério e seus desdobramentos, desdobramentos e desafios que insistem em serem eles mesmos fonte de conhecimento e episteme de si mesmos.

 

GT  8. Religião, Arte e Literatura

Coordenadores: Prof. Dr. Alex Villas Boas – LERTE-PUC/SP; Prof. Dr. Joe Marçal Santos – Universidade Federal de Sergipe/UFS; Prof. Dr. Antônio Geraldo Cantarela, PUC Minas, MG.

Ementa: O GT visa abrir um espaço de discussões sobre o papel da Arte e da Literatura no modo de pensar a questão religiosa. Giambattista Vico (1668-1744) apontara para as consequências de um “cartesianismo linguístico”, que explica o mundo se apoiando apenas em encadeamentos lógicos dedutivos, e com isso, distancia a natural relação entre linguagem práxis, especialmente pela capacidade que a linguagem literária e artística tem de criar formas de unidade de percepção como núcleo organizador da sociedade, fomentando assim a vida comunitária. Deste modo este GT propõe que se discuta o papel da linguagem simbólica e narrativa, presente nas artes de modo geral e na literatura de modo específico, por suas respectivas capacidades de sensibilização a valores humanos e religiosos. O GT pretende ainda reunir pesquisadores/as de outras associações, e programas, como a ALALITE, ABRALIC, LERTE (PUC-SP), RELEGERE (UMESP), IEA (USP), Teopoética (PUC-Rio e UFSC) a fim de avançar nas discussões que vêm avançando nos últimos anos dentro da temática.

 

GT 9. Religião e Gênero

Coordenadores: Profa. Dra.Anete Roese – PUC/Minas, MG; Profa. Dra. Lilian Conceição da Silva Pessoa de Lira – Fundaj-UFRPE/PE; Prof. Dr. André Musskopf – EST/RS.

Ementa: O GT Religião e Gênero é um espaço de debate transdisciplinar no campo das Ciências da Religião, articulando áreas como teologia, sociologia, antropologia, história, psicologia e filosofia sobre as questões de gênero. O GT se dedica à análise teórica feminista de fenômenos, movimentos religiosos e manifestações espirituais do mundo contemporâneo. Objetiva-se acolher estudos e reflexões críticas acerca do papel das religiões/religiosidades/espiritualidades e suas implicações sobre as relações de gênero na sociedade, em terreiros, igrejas, templos, mesquitas, sinagogas, casas de oração e demais espaços de viés espiritual e religioso. O GT se propõe a analisar criticamente os atravessamentos que implicam o lugar da mulher nas religiões, a discussão sobre masculinidade e relações étnico-raciais, todos com os pressupostos das teorias feministas.

 

GT 10. Religiões de matriz Africana no Brasil: memórias, narrativas e símbolos de religiosidade

Coordenadores: Prof. Dr. Luís Tomás Domingos – UNILAB, CE; Profa. Dra. Zuleica Dantas Pereira Campos – UNICAP, PE

Ementa: Este grupo de trabalho pretende ser espaço de diálogo, análise e reflexão sobre as diversas percepções e abordagens do divino nas Religiões de Matriz Africana. Tem como objetivo explorar o contexto sócio-histórico e cultural em que as religiões de matriz africana se construíram no Brasil, não se limitando a reproduzir o passado, mas se desconstruindo e reconstruindo em interface com outras religiões, como o espiritismo, as religiões indígenas e o catolicismo, influenciando na formação no imaginário cultural e religioso do país.  Dessa forma, as diferenças étnico/religiosas no Brasil nos interpelam e nos induzem a reflexões tais como: de que forma as narrativas, memórias e símbolos são construídos e interpretados no “novo mundo” e em particular na sociedade brasileira? Como ocorrem as experiências com o divino, a concepção de Deus, na religiosidade das populações Afro-brasileiras e indígenas? Como se manifesta a espiritualidade e, quem é o Deus desta sociedade plural Africana, Afro-brasileira e Indígena? Por conseguinte, o GT analisará os diversos mitos, ritos, rituais e as interpretações simbólicas de Deus e do divino nas religiões de matriz Africana.

 

GT 11. Pluralidade Espiritual e Diálogo Inter-Religioso

Coordenadores: Prof. Dr. Gilbraz Aragão – UNICAP, PE; Prof. Dr. Roberlei Panasiewicz – PUC Minas, MG; Prof. Dr. Cláudio de Oliveira Ribeiro – UMESP, SP.

Ementa: Diante do contexto culturalmente plural em que nos encontramos e que desafia as tradições religiosas, surgem, por um lado, movimentos intolerantes e fundamentalistas e, por outro lado, grandes oportunidades para o diálogo. Trata-se de reconhecer, no convívio com a diversidade, o que há de único e irrevogável em cada religião; ao mesmo tempo, é fundamental que se manifeste e se reflita sobre o dinamismo espiritual que está entre e para além das religiões, mesmo daquelas expressões laicas e sem divindades. O diálogo “inter-religioso” que todas proporcionam faz repensar o compromisso ético das religiões com a paz mundial. O FT se propõe, então, a debater pesquisas sobre Pluralidade Espiritual e Religiosa, Tolerância e Diálogo.

 

 GT 12. Linguagem e Religião: Construindo Pontes de Diálogo

Coordenadores: Prof. Dr. Paulo Dalla-Déa UFSCar – BR; Prof. Dr. Ângelo Cardita – Université Laval – CA; Prof. Dr. Augusto Rodrigues (Universidade de Brasília – DF).

Ementa:  O objetivo deste Grupo de Trabalho é acolher e promover o debate e a reflexão sobre a linguagem e a religião em suas variadas manifestações, construindo pontes de diálogo entre a teologia, as ciências da religião, a literatura e as ciências da linguagem, especialmente a partir do desenvolvimento e da aplicação a nível metodológico do pensamento de Mikhail Bakhtin. Esta perspectiva visa ajudar a pensar de forma original os fenômenos religiosos e espirituais tanto no mundo globalizado e plural como na sociedade brasileira atual (concretamente na cultura juvenil) de hoje.  Assim, o GT integrará comunicações e debates que correspondam à seguinte ordem temática:

1) Análises linguísticas de discursos, fenômenos religiosos e autores contemporâneos. 2) Estudos sobre o relacionamento entre a linguagem religiosa e a linguagem secular, contemplando nomeadamente o impacto e a importância da religião para a linguagem humana nas suas várias formas (artísticas, literárias, midiática, etc.) e em relação com outros âmbitos da vida social (política, economia, juventude, etc.). 3) Exemplos de adaptação, inculturação e reinvenção da linguagem religiosa nas suas várias facetas (teologia, doutrinas, ritos, etc.). 4) Reflexões epistemológicas inspiradasem Bakhtin, de preferência sobre o relacionamento entre a teologia, as ciências da religião, a literatura e as ciências da linguagem.

 

GT 13. Teologia latinoamericana (AMERINDIA)

Coordenadores: Grupo da Ameríndia: Socorro Martinez, Coordenadora Continental (México); Oscar Elizalde (Colômbia), Manoel Godoy (Brasil), Juan Manuel Hurtado (representante no FMTL), Pablo Bonavia (Uruguai).

Este grupo busca asumir uno de los mayores desafios que enfrenta hoy la tradicion teologica latinoamericana en su esfuerzo por reflexionar desde la fe a partir de las practicas de solidaridad entre y con los excluidos de nuestras sociedades.  Se trata de incorporar como un procedimiento intrinseco a la construccion de su discurso teologico mas propio la articulacion de diversos aportes que surgen del dialogo permanente entre sujetos y saberes distintos. Estos tienen que ver con un triple nivel de aproximacion a la realidad: a) las practicas que apuntan a transformar el paradigma de la dominacion por el de la reciprocidad en todos los planos incluyendo los vinculos interpersonales y de genero, las estructuras de la sociedad y el cuidado ecologico de la biosfera  b) la experiencia y reflexion de los cristianos en su seno y c) la reflexion academica interdisciplinar.

Ello supone un cambio en la manera de concebir el trabajo del teologo o teologa profesionales que, sin abandonar su responsabilidad en los aspectos de rigor cientifico, deberan participar de espacios que le permitan dialogar en reciprocidad sistematica con lo que surge de la vida, los dolores, las luchas y alegrias del pueblo pobre y de la reflexion normalmente informal de los cristianos comprometidos en los procesos de transformacion.  Como es obvio no se le puede pedir al teologo profesional que de cuenta por si mismo de todos los saberes implicados en dicho proceso. Lo decisivo es pasar progresivamente de una vision individualista del sujeto de la reflexion teologica a otra comunitaria no solo a nivel interdisciplinar sino tambien ‘intersapiencial’.  Se trata de generar espacios o equipos integrados por personas dedicadas a la investigacion academica y otras capaces de aportar desde su experiencia a nivel de base social y eclesial. En este sentido vemos importante reducir crecientemente la separacion entre el circulo de teologos/as profesionales y los militantes cristianos de base.

En este taller de Amerindia se buscara el intercambio con otros grupos de trabajo que ya tienen una larga experiencia en los Congresos de la SOTER y abordan temas afines.